Ivonaldo Alexandre/Agência de Notícias Gazeta do Povo Adenilson, Valmir, Elizete e Teresa mostram os escombros das casas demolidas nas margens do Atuba. Material está caindo no rio e pode trazer risco de doenças
ESPECIAL: ÁGUAS DO AMANHÃ #5

Triste retrato do Alto Iguaçu

Às margens do Rio Atuba, entre Colombo e Curitiba, moradores convivem com alagamentos, ocupações irregulares e sem rede de esgoto 04/06/2011 13:38:28 JOÃO RODRIGO MARONI

Saiba mais

Trecho do Rio Atuba, afluente do Rio Iguaçu, na divisa entre Curitiba e Colombo. O entulho das casas demolidas está caindo no rio. Foto: Ivonaldo Alexandre/AGP
Ainda há residências na beira do Atuba. Famílias devem ser retiradas, mas não há prazo para isso ocorrer. Foto: Ivonaldo Alexandre/AGP
Sem rede coletora, os imóveis jogam o esgoto diretamente no Rio Atuba. Foto: Ivonaldo Alexandre
Próxima

Não é difícil encontrar na região metropolitana de Curitiba situações que resumem bem alguns dos principais problemas ambientais da bacia do Alto Iguaçu. Alguns pontos, inclusive, transformam-se em verdadeiros exemplos práticos dos conceitos e números mostrados ao longo deste suplemento especial e que estão relacionados aos indicadores de qualidade dos rios, tais como: ocupações irregulares, áreas inundáveis, coleta de lixo e esgoto, preservação das matas ciliares e dos mananciais.

No limite de Curitiba com Colombo, às margens do Rio Atuba, nossa reportagem visitou um desses locais. Nas proximidades da Rua Antonino Teixeira, no bairro Santa Cândida, do lado curitibano, os moradores estão cansados de conviver com algumas das situações descritas no parágrafo anterior. Historicamente, a região vem sofrendo há anos com as ocupações irregulares nas margens do rio, com a falta de rede coletora de efluentes e com o lixo que é jogado no Atuba. Além disso, os alagamentos são uma constante para quem vive ali.

PAC

Recentemente, a prefeitura de Colombo juntamente com a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), através de obras financiadas pelo Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciou um demorado processo de retirada das pessoas que vivem na beira do rio, no Jardim Marambaia. No local, algumas casas foram demolidas e as famílias transferidas para novas residências. Porém o entulho não foi retirado do local. “O lixão todo está em Colombo, mas Curitiba fica na parte mais baixa. Quando chove, nós é que ficamos prejudicados”, reclama a aposentada Teresa Santos, que mora no Santa Cândida, em frente ao Rio Atuba.

De qualquer forma, dos dois lados da margem há muito entulho e lixo no entorno do rio, aumentando o assoreamento e dificultando a passagem da água. “Se der uma chuva forte, vai ser um caos. Tudo vai parar nas manilhas”, alerta Teresa. O vizinho dela, o empresário Adenilson Oliveira, conta que se vê de tudo no rio – sofás, geladeiras, colchões... “Deveriam tirar o entulho e fazer a limpeza do rio”, protesta. Ele ainda lembra da última enchente na região, em fevereiro. Teresa nos mostra as fotos da casa invadida pelas águas do Atuba. Situação agravada pela falta de saneamento.  “As porcarias estão indo para o rio e, quando alaga, vem tudo para dentro das nossas casas”, explica a aposentada.

A preocupação com a saúde pública, aliás, é um dos pontos principais das reclamações. Segundo os moradores, alguns vizinhos adoeceram após ter contato com as águas dos alagamentos. “Fazem campanhas contra a dengue, mas olha o que tem de pneus e lixo aqui”, aponta Teresa. “O argumento da prefeitura é de não remover o entulho para que outras pessoas não se instalem aqui”, revela o empresário Valmir Cordeiro de Almeida, que também mora nas redondezas.

A dona de casa Elizete Antunes Machado também aponta outros problemas na região, como rachaduras nas casas e calçadas, além de vias esburacadas – a Sanepar faz obras para implantação de um coletor na região. “Fizeram todo o esgoto, quebraram a rua e não consertaram”, protesta. Já o alfaiate Naor Dias está preocupado com futuros alagamentos, em decorrência do entulho que cai no rio. “Fico magoado com a quantidade de impostos que pago, e o retorno não vem”, desabafa.

 

ACESSE A COMUNIDADE DO ÁGUAS DO AMANHÃ E COMENTE AS REPORTAGENS.